terça-feira, 12 de janeiro de 2016

SUSANA E OS ANCIÃOS

É cedo, ainda, é cedo. Conquanto 
já vai alto o sol ardente demais.
um fogo que não se extingue.
A corça corre no prado verde,
e seu cheiro faz salivar o lobo faminto.
Sob o cedro, neste bosque,
sob o carvalho, neste bosque,
sob a aroeira, neste bosque, 
é úmida a terra e perfumada.
(são gêmeos de gazela os teus seios) -
O lírio em seu esplendor.
As caves do vinho mais doce,
que refrescam como a sombra da tarde.
E tudo mudo,
um jardim fechado,
nem sequer um estalar de folhas,
nem os nervos a fibrilar.
Corre a água, clara como
a mesma pele alva e nua, 
do regaço às coxas, como a luz, 
infinitamente.
É tarde.
RUBENS, Peter Paul - 1610